UM BREVE COMENTÁRIO SOBRE A GESTÃO DO TEMPO

Como vimos anteriormente, entrar em estado de mindfulness permitirá ao líder experimentar estados mentais de tranquilidade, foco e alto desempenho. Isso também lhe abrirá a oportunidade de alcançar maior produtividade. É impressionante o tempo que perdemos com divagações, devaneios e engajamento em atividades sem sentidos.

Ao estarmos ancorados no presente, o tempo ganha outra perspectiva. Tornamo-nos atentos àquilo que estamos fazendo, perdemos menos tempo e as mesmas 24 horas parecem ganhar outra dimensão. Ao analisar a vida de grandes líderes, nunca se perguntou como conseguem fazer tanto? Claro que há várias razões que contribuem para terem atingido tamanho grau de eficiência. Tenho certeza de que adquiriram a capacidade de entrar em estado de flow, como também sei que se tornaram especialistas em fazer boas escolhas.

Sim, posso afirmar que alta produtividade está diretamente relacionada com a arte de fazer escolhas. Afinal, todos os dias fazemos escolhas relacionadas ao uso de nosso tempo. As demandas são infinitas, inúmeras são as distrações e caberá ao líder determinar onde alocará o seu tempo.

Todos nós temos as mesmas 24 horas do dia, todavia o modo como as usamos demonstra o grau de maturidade, comprometimento e acerto na escolha de tal uso. A primeira escolha que todo líder deverá fazer é se continuará a reagir ao urgente ou começará a agir sobre o fundamental em sua vida pessoal e profissional.

É característica comum dos trabalhadores deste século que estejam sob constante pressão. Prazos emergenciais, reuniões e compromissos profissionais, e-mails urgentes, todas essas demandas frenéticas facilitam o surgimento daquilo que chamo de “profissionais bombeiros”, que são os especialistas em apagar incêndios. Tão logo chegam ao escritório, começam a reagir às demandas do dia. Em regra, estão sempre muito ocupados, agitados e estressados; fazem muito, mas não produzem nada de relevante.

São os profissionais viciados em adrenalina, aqueles que chegam esgotados ao final do dia, mas que, ao mensurarem o retorno de suas atividades, percebem que foram inexistentes ou muito pequenos. O estado mental calmo e centrado permite o desenvolvimento de profissionais estratégicos, que refletem sobre aquilo que realmente é importante em suas vidas e começam a agir sobre elas. A ideia aqui é pensar como um investidor. O tempo é a moeda e os resultados representam o retorno esperado.

O líder de sucesso está sempre refletindo onde a alocação de seu tempo gerará o maior impacto, os melhores resultados, enfim, a maior satisfação. A verdade é que produtividade vai muito além de, simplesmente, fazer as coisas. Diz respeito a fazer as coisas certas, de maneira focada. A melhor maneira de mensurar produtividade é pelo VALOR que nossa atividade gera em nossas vidas. Uma produtividade extraordinária é fruto de atenção focada em atividades importantes, de decisões com alto valor e alta energia pessoal.

É cogente perceber que nem sempre aquilo que é importante é urgente! Reservar espaço na agenda para a prática constante de exercícios físicos, para desfrutar do convívio familiar, para meditar todos os dias, por exemplo. Nenhuma dessas atividades, em regra, é urgente, embora sua realização frequente produza resultados extraordinários ao longo do tempo.

Outra habilidade que uma mente focada desenvolve é a de dizer não! Como disse anteriormente, são muitas as distrações que nos chegam todos os dias. A internet, mídias sociais, um filme tarde da noite, whatsapp, são somente algumas das inúmeras formas de perdermos o foco e uma enorme quantidade de tempo. Não digo que não devemos reservar espaço para o lazer, ao contrário, mas tão somente que, se não tomarmos cuidado, essas distrações tomarão boa parte de nosso dia, dificultando nosso desejo de gerar impacto e bons resultados.

Uma prática que aderi, já há algum tempo, foi o “cadeado de agenda”. A ideia é trancar determinados horários para a prática de atividades que estão alinhadas com minhas metas e propósitos. Escrever este artigo, por exemplo, somente foi possível porque fechei minha agenda, em certos momentos, para este trabalho. Costumo dizer que o que diferencia um mero desejo de uma meta é a existência de um plano de ação para concretizá-la. Quando um cliente me diz, por exemplo, que quer perder peso, ele tem um desejo. Todavia, quando me diz que foi a uma nutricionista, matriculou-se em uma academia e fechou o horário do almoço para se exercitar, ele tem uma meta, e com certeza começou a melhorar sua gestão do tempo!

SIM, VOCÊ PRECISA DE MAIS ENERGIA!

Tudo o que fazemos em nossos trabalhos e em nossa vida pessoal requer energia. Sem a correta quantidade e qualidade energética, qualquer atividade realizada é comprometida! Ocorre que grande parte dos executivos com quem trabalho, equivocadamente, parte do pressuposto de que sua energia é ilimitada e infinita. Quando a demanda em sua vida profissional aumenta, eles aumentam sua jornada. O problema é que o tempo que temos é finito: são 24 horas no dia e 168 horas semanais, nem mais um segundo. Nesse sentido, resta claro que não temos como aumentar, infinitamente, nossa carga de trabalho, seja por uma impossibilidade de tempo ou de saúde e sanidade.

Acredito que cometemos o mesmo erro em relação aos recursos naturais de nosso planeta. Usamos de forma indiscriminada seus recursos, imaginando que nunca chegarão ao fim. Pois bem, talvez seja hora de dizer sem rodeios que nem os recursos naturais nem nossa energia são infinitos. Temos trabalhado como computadores por longas jornadas, de forma quase  ininterrupta e realizando multitarefas. Não estranha o fato de encontrarmos, cada vez mais, profissionais exauridos e sem energia para nada. Podemos abordar essa questão sob uma nova ótica: a de nos concentrarmos em nossos níveis de energia e em como podemos expandi-la e renová-la. São dois os conceitos-chave aqui, expansão e renovação.

Expandindo e aumentando seu nível energético

O que faz com que se sinta energizado? O que lhe dá prazer e renova suas energias? É importante tentarmos compreendere manejar nosso mundo interior, de modo a compreendermos aquilo que funciona melhor em nossa vida e, assim, fazermos melhores escolhas. Tive um cliente que, quando se sentia exaurido, tomava café e ingeria açúcar. Era a sua forma de expandir sua energia. Claro que, em um primeiro momento, seu índice glicêmico aumentava e ele experimentava um pico energético, mas, pouco tempo depois, sentia-se pior que anteriormente e, com isso, necessitava de doses ainda maiores de cafeína e açúcar para se manter ativo!

Podemos todos fazer melhores escolhas para renovar nossas energias! Uma caminhada, 20 minutos de meditação ou respiração ritmada, uma conversa com alguém que amamos. Você já se engajou em alguma atividade que parece ter o poder de “conectá-lo(a) à tomada”? Onde, ao final, sentimos que nossa bateria está cheia e prontos para novas atividades? Minha experiência demonstra que as maiores fontes de energia estão disponibilizadas em atividades físicas (exercícios físicos, alimentação e sono), interações e vivências emocionais (interações com família e amigos), mentais (leitura, jogos etc.) e espirituais (meditação, oração, cultos, missas etc.) Descubra o que lhe energiza e, mais importante, inclua essa atividade em sua rotina! Isso, por si só, já provocará uma grande mudança em seu desempenho e interações de ordem pessoal e profissional.

A importância de renovar suas energias

Recentemente, ouvi uma história sobre um diretor da área financeira de uma grande multinacional. Segundo a área de Recursos Humanos, o referido profissional, bastante reconhecido e celebrado pelo mercado como um dos melhores em sua área, já estava afastado do trabalho há alguns meses. O motivo? Síndrome de Burn Out! Se esse nome soa como grego para você, não se assuste, pois também nunca havia ouvido sobre ela até aquele momento.

A Síndrome de Burn Out é uma doença, catalogada como tal pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que representa o estresse no mais alto grau imaginável. O próprio nome da doença é bastante significativo, “síndrome da chama que apaga”. Segundo os especialistas, quando acometido por essa doença os níveis de estresse são tamanhos e a energia vital na pessoa tão insignificante, que esta não consegue mais exercer os papéis que, geralmente, desempenha em sua vida. Não tem energia para atuar em sua vida pessoal e familiar. Não raro, as pessoas acometidas por essa doença não saem da cama e desenvolvem doenças psíquicas associadas, como depressão. O mais assustador, todavia, é que a Síndrome de Burn Out está, frequentemente, associada a executivos que performam em alto nível, com muitas responsabilidades, preocupações e imensa carga horária de trabalho.

Aqui, temos uma constatação muito importante: quanto mais tempo ficamos sob estresse e baixo nível de energia, maior a dificuldade de renová-la e elevá-la a bons níveis, aumentando-se, assim, a probabilidade de desenvolvermos doenças de toda a sorte, pense nisso!