Trabalhar de casa aumenta a produtividade, aponta pesquisa

Estudo da Universidade de Stanford acaba com aquela história de que home-office é sinônimo de marasmo por Redação Galileu Trabalhar de casa, ou home-office para os falantes fluentes de corporativês, costuma ser visto como algo desejável somente para os funcionários. Ao patrão, restaria somente a desconfiança: “o que meu subalterno estará fazendo longe do alcance dos meus olhos?” Bem, parece que o senso comum falhou novamente. Uma pesquisa acaba de provar que trabalhar de casa é bom pra todo mundo: menos tédio pro empregado, mais produtividade pra empresa. Hoje em dia, cerca de 10% dos trabalhadores dos EUA têm pelo menos um dia de home Office por semana. Partindo desse dado, a Universidade de Stanford resolveu investigar o tema. Uma empresa chinesa de telemarketing submeteu 250 funcionários a um teste: uma parte deles trabalharia de casa 4 dias por semana e o outro grupo ficaria 9 meses seguindo a rotina normal: da casa pro trabalho, do trabalho pra casa. A conclusão foi a seguinte: a turma que trabalhou do conforto do seu lar teve uma performance 13% melhor do que de costume. Esse número é motivado por duas questões principais – eles ficavam menos doentes e faziam menos pausas, além de conseguir realizar mais ligações devido ao ambiente silencioso que os cercava. Ok, ok, ok. O resultado não é tão arrojado assim – os números são relevantes, mas não dá pra levá-los até seu chefe na expectativa de uma mudança de conduta da empresa (a menos que você próprio seja funcionário de telemarketing). A pesquisa é um pouco específica, principalmente pelo fato desse ofício ter metas de produtividade muito claras. Mas calma. O mérito da pesquisa é mostrar que a sensação prazerosa de trabalhar em casa não é revertida em preguiça ou enrolação, mas sim em satisfação profissional e o subsequente aumento da eficiência. Até a balbúrdia de um escritório comparada com a calma do seu quarto é uma justificativa que faz sentido. Pra finalizar, mais dois argumentos (um pra cada lado) sobre a eficácia de trabalhar de casa: você ajuda o meio ambiente ao não pegar carro ou o ônibus (grandes propagadores de CO2) para ir até o escritório e a empresa ainda poupa dinheiro – a companhia citada no experimento diz ter economizado 2 mil dólares por funcionário que ficou em casa.

 

Sobre o tempoAbout the time

Tantas pessoas passam pela vida e, no fim dos seus dias, se questionam sobre a razão de sua existência. Será que precisamos mesmo ser tão maduros para então perceber aquilo que nos é realmente importante? Esperar termos mais idade e menos condições físicas para tentar usufruir da sabedoria e das atitudes acertadas?

Tudo depende de nosso posicionamento diante das situações que nos ocorrem. Quantas pessoas esperam o sucesso, a fama e o dinheiro? A maioria das pessoas… E isso se concretiza com esforço, inteligência e por vezes talento. Mas alcançar o topo é sinônimo de realização? Existem casos que demonstram exatamente o oposto.

Quando falamos de atletas, tratamos de pessoas dedicadas, comprometidas com o desempenho e com garra para traçar um caminho muito grandioso. Por vezes, porém, falamos de pessoas que não tiveram tantas oportunidades na vida até então. Berço simples, pouco estudo, lutas e dificuldades.
Esportistas se preparam arduamente para superar seus limites, mas às vezes não conseguem dominar sua vida pessoal. Dinheiro, reconhecimento e assédio podem desestabilizar esse novo momento e, muitas vezes, destruir carreiras. É aí que entra o trabalho do coaching.

O objetivo desse especialista não é traçar planos táticos de jogo, nem mesmo fazer uma análise de vida, alegrias ou traumas do jogador. Para isso têm-se, respectivamente, o trabalho fundamental do técnico e de um psicólogo. O trabalho do coaching é orientar, buscar alta performance aliada às garantias de satisfação e prazer pessoais. Mostrar como lidar com questões que muitas vezes a cegueira do deslumbramento não permite resolver.

É uma forma de reeducação, um traçar de planos para que o atleta conheça seu caminho almejado e se prepare para os desafios que por vezes dilaceram carreiras e sonhos por simples falta de planejamento e estratégia. Acredito muito nesse trabalho e percebo que não precisamos chegar à velhice para saber como fazer, ou se arrepender por ter feito errado o que podemos desde então acertar!No translation.