O Poder da Identidade – Expanda sua visão acerca de si mesmo

Gostaria de iniciar este artigo contando uma fábula que muitos já conhecem. A fábula do sapo e do escorpião.

“Certa vez, após uma enchente, um escorpião, querendo passar ao outro lado do rio, aproximou-se de um sapo que estava à beira e fez-lhe um pedido:
– Sapinho, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?
O sapo respondeu:
– Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralisado e vou morrer.
Mas o escorpião retrucou, dizendo:
– Isso é ridículo! Eu não pagaria o bem com o mal. Ademais, se lhe picar eu também morrerei.
E o sapo sempre se negando a levá-lo. E tanto insistiu o escorpião que o sapo, de boa-fé, confiando na lógica do aracnídeo peçonhento, concordou. Levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio. No meio do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo.
Atingido pelo veneno, moribundo, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou:
– Por quê? Por quê essa maldade ? Por que você fez isso, escorpião? Não percebe que também morrerá?
E o escorpião respondeu:
– Não sei… Sabe, não sei mesmo !!! Talvez porque eu seja um escorpião e essa é a minha natureza…”

Qual lição podemos tomar a partir desta história? Qual a interpretação que podemos dar?

A meu ver a grande lição deste conto, aparentemente infantil, é a de que a crença que você tem a seu respeito molda o seu destino!

A crença a respeito de quem você é, de sua identidade, molda o modo como você age, interage com as pessoas ao seu redor e influencia diretamente os resultados que alcança em sua vida. Isso se dá desta forma pois uma das maiores necessidades de nossa personalidade é fazer com que nosso comportamento seja consistente com nossa identidade, ainda que a identidade a qual nos identificamos seja negativa.

Nos últimos anos vi pessoas que não foram capazes de realizar as modificações que desejaram em suas vidas, ou se o fizeram foi por pouco tempo. Isso porque tentaram mudar seus comportamentos mas não sua identidade. Quem, de fato, elas são!

Vou dar um exemplo. Tenho um amigo de infância bastante gordinho e que era muito querido por todos. Engraçado, fazia muitas piadas com seu peso e sempre foi aceito em todas as “rodas” como sendo o amigão da turma. Ele associava prazer ao fato de ser gordo pois, em seu entender, era seu peso que o permitia ser aceito, querido e valorizado por seus amigos. A sua identidade estava profundamente atrelada ao fato de ser obeso.

Quando o reencontrei a alguns anos atrás, já adulto e pai de família, ele estava profundamente infeliz. Me disse que suas taxas de colesterol eram altíssimas, estava hipertenso e com grande risco de desenvolver diabetes. Confessou que já havia feito de tudo para tentar emagrecer, tentado todas as dietas e visitado todos os médicos. Em vão.

No decorrer de nossa conversa, entretanto, percebi que continuava a fazer as mesmas piadinhas sobre seu peso, ainda utilizava sua obesidade como forma de integração social, estava bastante vinculado àquela imagem que, claramente, lhe trazia conforto e prazer.

Assim que soube de meu trabalho como coach me pediu ajuda. O que combinamos foi que antes de entrar em outra dieta ou tentar quaisquer dos meios de emagrecimento faríamos uma releitura de sua identidade, de quem era de fato. Utilizamos técnicas de visualização e afirmações. Lhe apresentei a Programação Neurolinguística.

Meu amigo começou a vincular dor ao que antes via como prazer (ser o gordinho gente boa) e, por outro lado, vincular profunda satisfação e prazer à uma alimentação mais saudável e prática constante de exercícios físicos, atitudes harmonizadas com a imagem que ele havia construído para si mesmo.

Lhe expliquei que deveria tomar muito cuidado com a maneira como ele se define ou como os outros o definem. Tomar cuidado com suas palavras, pois não raramente se tornam profecias.

Finalmente, dividi com ele minha crença de que a vida tem muito menos a ver com encontrar a si mesmo do que CRIAR a si mesmo. Que era possível criar a pessoa que aspirava se tornar através da estipulação de crenças poderosas, fixação de princípios que norteariam sua conduta e, a partir disso, criar metas condizentes com sua nova identidade. Como consequência resultados antes impensáveis surgiriam em sua vida.

Para sua surpresa (não minha) mandou embora todos os quilos indesejáveis. Mais que isso, iniciou uma jornada riquíssima na realização de seus sonhos e na vivência de seus ideais antigos a muito esquecidos. Um novo homem surgiu.

E você, qual pessoa enxerga quando se olha no espelho?

Um fortíssimo abraço,

Tony
Gostaria de iniciar este artigo contando uma fábula que muitos já conhecem. A fábula do sapo e do escorpião.

“Certa vez, após uma enchente, um escorpião, querendo passar ao outro lado do rio, aproximou-se de um sapo que estava à beira e fez-lhe um pedido:
– Sapinho, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?
O sapo respondeu:
– Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralisado e vou morrer.
Mas o escorpião retrucou, dizendo:
– Isso é ridículo! Eu não pagaria o bem com o mal. Ademais, se lhe picar eu também morrerei.
E o sapo sempre se negando a levá-lo. E tanto insistiu o escorpião que o sapo, de boa-fé, confiando na lógica do aracnídeo peçonhento, concordou. Levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio. No meio do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo.
Atingido pelo veneno, moribundo, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou:
– Por quê? Por quê essa maldade ? Por que você fez isso, escorpião? Não percebe que também morrerá?
E o escorpião respondeu:
– Não sei… Sabe, não sei mesmo !!! Talvez porque eu seja um escorpião e essa é a minha natureza…”

Qual lição podemos tomar a partir desta história? Qual a interpretação que podemos dar?

A meu ver a grande lição deste conto, aparentemente infantil, é a de que a crença que você tem a seu respeito molda o seu destino!

A crença a respeito de quem você é, de sua identidade, molda o modo como você age, interage com as pessoas ao seu redor e influencia diretamente os resultados que alcança em sua vida. Isso se dá desta forma pois uma das maiores necessidades de nossa personalidade é fazer com que nosso comportamento seja consistente com nossa identidade, ainda que a identidade a qual nos identificamos seja negativa.

Nos últimos anos vi pessoas que não foram capazes de realizar as modificações que desejaram em suas vidas, ou se o fizeram foi por pouco tempo. Isso porque tentaram mudar seus comportamentos mas não sua identidade. Quem, de fato, elas são!

Vou dar um exemplo. Tenho um amigo de infância bastante gordinho e que era muito querido por todos. Engraçado, fazia muitas piadas com seu peso e sempre foi aceito em todas as “rodas” como sendo o amigão da turma. Ele associava prazer ao fato de ser gordo pois, em seu entender, era seu peso que o permitia ser aceito, querido e valorizado por seus amigos. A sua identidade estava profundamente atrelada ao fato de ser obeso.

Quando o reencontrei a alguns anos atrás, já adulto e pai de família, ele estava profundamente infeliz. Me disse que suas taxas de colesterol eram altíssimas, estava hipertenso e com grande risco de desenvolver diabetes. Confessou que já havia feito de tudo para tentar emagrecer, tentado todas as dietas e visitado todos os médicos. Em vão.

No decorrer de nossa conversa, entretanto, percebi que continuava a fazer as mesmas piadinhas sobre seu peso, ainda utilizava sua obesidade como forma de integração social, estava bastante vinculado àquela imagem que, claramente, lhe trazia conforto e prazer.

Assim que soube de meu trabalho como coach me pediu ajuda. O que combinamos foi que antes de entrar em outra dieta ou tentar quaisquer dos meios de emagrecimento faríamos uma releitura de sua identidade, de quem era de fato. Utilizamos técnicas de visualização e afirmações. Lhe apresentei a Programação Neurolinguística.

Meu amigo começou a vincular dor ao que antes via como prazer (ser o gordinho gente boa) e, por outro lado, vincular profunda satisfação e prazer à uma alimentação mais saudável e prática constante de exercícios físicos, atitudes harmonizadas com a imagem que ele havia construído para si mesmo.

Lhe expliquei que deveria tomar muito cuidado com a maneira como ele se define ou como os outros o definem. Tomar cuidado com suas palavras, pois não raramente se tornam profecias.

Finalmente, dividi com ele minha crença de que a vida tem muito menos a ver com encontrar a si mesmo do que CRIAR a si mesmo. Que era possível criar a pessoa que aspirava se tornar através da estipulação de crenças poderosas, fixação de princípios que norteariam sua conduta e, a partir disso, criar metas condizentes com sua nova identidade. Como consequência resultados antes impensáveis surgiriam em sua vida.

Para sua surpresa (não minha) mandou embora todos os quilos indesejáveis. Mais que isso, iniciou uma jornada riquíssima na realização de seus sonhos e na vivência de seus ideais antigos a muito esquecidos. Um novo homem surgiu.

E você, qual pessoa enxerga quando se olha no espelho?

Um fortíssimo abraço,

Tony

Uma Vida Com PropósitoA life purpose

Nós que vivemos nos campos de concentração podemos lembrar de homens que andavam pelos alojamentos confortando a outros, dando o seu último pedaço de pão. Eles devem ter sido poucos em número, mas ofereceram prova suficiente que tudo pode ser tirado do homem, menos uma coisa: a última das liberdades humanas – escolher sua atitude em qualquer circunstância, escolher o próprio caminho”

Viktor Frankl

 

O que caracteriza uma vida com propósito? O que difere este tipo de experiência de uma vida vivida sem um conjunto de princípios que norteiam o ser humano, tanto na alegria como na dor?

Pensei muito antes de escrever este artigo e não encontrei exemplo melhor do que a experiência vivida por Viktor Frankl, um médico e psiquiatra austríaco que, em setembro de 1942, juntamente com sua mulher grávida e toda a família, por serem judeus, foram presos e deportados para campos de concentração na Alemanha Nazista.

Durante os anos de prisão, Frankl perdeu sua esposa, filho, irmão, pai e mãe no Holocausto. Foi submetido a condições degradantes e vexatórias e, ainda assim, saiu dessa situação mais forte, pronto para revolucionar a psicanálise com a criação de uma nova escola: a logoterapia.

O que o motivou a suportar todas as atrocidades pelas quais passou? O que o fez desejar sobreviver quando, reduzido a um farrapo humano, podia simplesmente ter desistido?

Frankl responde a estas perguntas em seu livro “Em busca de Sentido”. Ele encontrou uma razão para manter-se vivo e para pautar o resto de sua existência. Decidiu viver para contar ao mundo as atrocidades que se passaram nos campos de concentração, de modo a que não se repetissem.

Foi durante aqueles dias que aprendeu a importância de se ter um propósito na vida, dar a ela um significado, uma razão maior que a si mesmo.

Esta decisão mudou por completo sua experiência nos campos de concentração. Ele passou a ajudar os demais, buscou compreender a causa que está por trás do comportamento humano, se imaginou contribuindo com a humanidade após aquela tragédia.

Quando a pessoa adquire este senso de missão, passa a comandar a visão e os valores que dirigem sua vida. Passa a ter o ponto de partida básico, a partir do qual estabelece suas metas de curto e longo prazo. Pauta sua conduta a partir dos princípios corretos, de modo a servir de padrão à utilização de seu tempo, talento e energia.

Creio que todos podemos refletir sobre nossos talentos e qual seria a melhor forma de criar uma missão pessoal, pautada em princípios e valores que nos guiarão no caminho.

Afinal, há duas formas de passar por esta vida. A primeira está bem representada em um famoso samba que diz assim “deixa a vida me levar, vida leva eu…”. Neste caso, imagino a pessoa como um náufrago, a deriva do oceano e de suas correntes, agindo de forma reativa na maior parte do tempo, sem saber para onde vai, perdido.

No segundo caso penso em alguém que, de modo cauteloso e maduro, estabelece um propósito para sua vida e metas pessoais atreladas a este propósito. A analogia é de alguém que sabe onde quer chegar (o destino) e digita o endereço no GPS. Automaticamente o mapa se apresenta. Você pode até pegar uma via equivocada, mas por saber o destino, imediatamente a rota é refeita de modo a lhe reposicionar no caminho certo. Mas perceba, para que o caminho, o mapa, apareça, é imprescindível saber aonde quer chegar.

Seu propósito maior de vida será sua bússola. Não permitirá que se perca.

E você, qual o grande propósito de sua existência?

 

Um forte abraço,

Tony

 

A Maratona da Vida

Correr uma maratona habita o imaginário da maioria dos atletas como um sonho a ser realizado, o coroamento de anos de esforço e dedicação ao esporte. Comigo não foi diferente, durante anos acalentei a idéia de completar esta prova e mostrar daí a alguns anos, orgulhoso, a medalha ganha aos meus filhos e netos.

O problema era só um: 42km a serem completados!!!!

Na verdade os problemas eram muitos: sobrepeso, sedentarismo, falta de tempo para treinar e inúmeras outras barreiras que teriam de ser transpostas antes de cruzar a linha de chegada.

Este ano completei minha primeira maratona em Chicago e, após a euforia decorrente da conquista, pude refletir bastante sobre o significado desta prova e as analogias que poderiam ser construídas para a minha vida e das pessoas de uma forma geral.

A principal delas é a seguinte: nenhuma grande vitória é construída de um dia para o outro. Demanda tempo e um preço a ser pago! Quero dizer, ninguém acorda um dia e, do nada, diz: “Vou correr uma maratona hoje”. Tudo de valor em nossa vida é construído com tempo, disciplina, esforço pessoal e, porque não, algum sacrifício.

Quando me perguntam como consegui correr tamanha distância costumo responder que corri quilômetro após quilômetro, ou seja, através da soma de esforços diários que, juntos, deram ao meu corpo e à minha mente as condições para suportarem as agruras da prova.

Não importa seu objetivo na vida: passar em um concurso público, crescer na carreira, ficar milionário, construir uma linda família. Devemos ter em mente que tais objetivos demandam tempo, energia e um preço a ser pago. E é preciso observar que, diferentemente do restaurante em que você saboreia a refeição e somente depois paga a conta, na vida devemos pagar o preço primeiro para somente após usufruirmos dos resultados.

No meu caso, a grande recompensa não foi a medalha ganha, mas a pessoa que me tornei no caminho, completamente diferente daquele que iniciou a jornada.

Lembre-se, se quer ter mais do que tem, torne-se mais do que é hoje. A não ser que mude quem você é, continuará a ter os mesmos resultados e, conseqüentemente, mais ou menos as mesmas coisas.

Desenvolvimento pessoal é a única forma de agregar valor à sua vida e à vida de outras pessoas de modo a ser, ter e viver plenamente.

Não importa a sua idade, as dificuldades que enfrenta, as limitações que acredita que possui. Dê o primeiro passo! Hoje! Verá que seus sonhos se tornam tangíveis e que não estão tão longe como imaginava. Quando perceber terá percorrido uma longa distância e, agradecido, se verá um vencedor nesta maratona da vida!

TE VEJO NO TOPO!

Um forte abraço,

Tony

O que é este tal Coaching?What is this coaching thing?

Tem se tornado uma constante. Tão logo anuncio meu trabalho a pergunta surge: O que é Coaching? O que faz um Coach? Pra que serve?

Inaugurando o blog de meu site especializado em coaching, resolvi escrever sobre este tema, já muito conhecido e divulgado no exterior mas, relativamente novo no Brasil.

Para que se tenha uma boa ideia sobre o processo de Coaching é imprescindível que se fale sobre metas.

Uma das principais razões pelas quais a maioria das pessoas não alcançam o que querem decorre de não terem decidido ou não saberem o que realmente querem.Ou seja, não terem definido suas metas de forma clara e objetiva.

Viver sem metas é o mesmo que estar em um navio sem capitão, navegando sem destino certo. É estar em um lugar desconhecido sem bússola ou GPS. Você provavelmente não chegará a seu destino e, se o fizer, demorará mais tempo e sofrerá muito para fazê-lo.

O processo de Coaching começa ao serem estabelecidas metas claras, que podem ser pessoais ou profissionais. Uma vez definida a meta, o processo tem seu início!

Atletas que buscam melhorar sua performance, profissionais que desejam ir ao próximo nível em suas carreiras, deficiências que necessitam ser supridas. O campo para aplicação de Coaching é rico e abrangente.

Através de técnicas e ferramentas amplamente testadas o Coach auxilia seu cliente a administrar o próprio tempo, lidar com situações de tensão, aumentar a autoestima, romper limitações, visualizar oportunidades, enfim, tornar-se o melhor ser humano e profissional possível.

Uma característica marcante do Coaching é sua duração. Trata-se de um processo com início, meio e fim previamente acordados em que são desenvolvidas, uma a uma, as habilidades essenciais para que o coachee (cliente) possa dar os passos necessários rumo aos seus objetivos.

A eficácia de seus métodos vem sendo divulgada ao longo dos anos. Nos Estados Unidos 40% dos executivos já passaram pelo processo de Coaching. No Brasil algumas empresas como Petrobras, Nestlé, O Boticário, HSBC e Banco do Brasil, já utilizam o método entre seus executivos.

O Coaching é personalizado, mas também pode ser ofertado por meio de treinamentos “in company” para grupos de profissionais de uma mesma empresa.

Se você sente que ainda não desenvolveu todo o seu potencial e que poderia se valer do auxílio de um profissional com boa formação e experiência, o Coaching é uma ótima pedida.

Até a próxima.

Um forte abraço,

Tony.It has become a constant. As soon as I announce my work the question arises: What is Coaching? What does Coach do? What’s the purpose of Coaching?

For my first blog post, I decided to write about this topic that is already well known and published abroad, but relatively new in Brazil.

To have a good idea about the coaching process, is essential that we talk about goals.

One of the main reasons most people do not achieve what they want is the fact they haven’t yet decided or don’t actually know what they want. This means, they haven’t set goals clearly and objectively.

Living without goals is like being on a ship without a captain, sailing randomly. It is being in an unfamiliar place without a compass or a GPS. You probably will not reach your destination, and if you do, you will take longer and suffer a lot to do so.

The coaching process begins with the establishment of clear goals, which can be personal or professional. Once the goal is defined, the process begins!

Athletes who want to improve their performance, professionals who wish to go to the next level in their careers, deficiencies that need to be met. The field for the application of coaching is rich and comprehensive.

Through techniques and tools widely tested the coach helps his clients to manage their own time, deal with stressful situations, enhance self-esteem, overcome limitations, visualize opportunities and, ultimately, become the best possible human being and professional.

A distinct feature of coaching is its duration. It is a process with beginning, middle and end, previously established in which are developed, one by one, the essential skills for the coachee to take the necessary steps toward achieving his goals.

The effectiveness of coaching methods has been published over the years. In the United States 40% of executives have joined a coaching process. In Brazil, some companies such as Petrobras, Nestlé, O Boticário, HSBC and Banco do Brasil, already use the method among their executives.

Coaching is customized, but can also be offered through “in company” training for professional groups of the same organization.

If you feel that you have not yet fully developed your potential and could benefit with the assistance of a professional with proper training and experience, coaching is an excellent alternative.

Big hug,

Tony.